terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Day 12: Book that is most like your life (e um aviso)

Antes de tudo, o aviso:

A partir de hoje, vocês também me encontram no Minoria é a mãe (sim, lá uso meu nome). Recomendo loucamente o blog, e recomendaria mesmo que não participasse dele. Trust me, vale a visita :)

Day 12: Book that is most like your life

Autor: Caio Fernando Abreu
Ano: 1982
País: Brasil


frescos morangos vivos vermelhos


Sim, eu sei o que se fala do Caio pela internet afora (e da Clarice também. Caio, aliás, era grande admirador dela). But I don't give a single fuck, e não digo isso pra pagar de blasé nem nada do tipo: é que eu realmente não me importo e nem tenho interesse o suficiente pra tentar me importar. Um dos fatos fundamentais da vida é: sempre vai haver alguém que não gosta do que você gosta e vice-versa, deal with it. Eu muito raramente vou estar interessada no fato de um autor ser bem aceito pela crítica ou não, ter influência x ou y, ter um estilo considerado z ou w. Eu vejo se gosto ou não, e é assim que funciona. Li Caio, gostei, então é o suficiente.

Isso posto, vamos aos fatos. Eu li Morangos Mofados quando não estava no melhor dos momentos. São dezoito contos que me tocaram de todas as maneiras possíveis, e a maior parte delas não foi amigável; como eu escrevi na época, ler esse livro é como mergulhar num coração. Não há calmaria lá dentro, há só o turbilhão de sentimentos, e é isso o que mais me agrada no Caio: eu consigo sentir o coração dele ali, e é isso que me importa. Foi uma leitura dolorosa, lenta e tensa, mas quando terminei, alguma coisa aconteceu. Coloquei a cabeça pra fora. 

Os dois últimos parágrafos do último conto (que leva o mesmo nome do livro) me deram a injeção de esperança que eu precisava naquele momento. Assim, automaticamente. Eu terminei, reli esse trecho, reli mais uma vez, e agradeci. Além do simples gostar, é isso que faz um autor bom pra mim: me tocar, me ajudar, me entender de alguma forma. 

5 comentários:

swiit. disse...

Só para constar: me interessei por esse livro depois de ver seu post. Procurei loucamente em sebos e livrarias. NADA. Dei o braço a torcer e baixei (ler no computador me cansa muito, então costumo evitar).

Juro que vou passar minha vida inteira procurando. Tenho necessidade de ter esse livro maravilhoso *-*

.moony. disse...

swiit, ele me custou a doce facada de trinta e poucos reais no submarino :( e é finino, acho que não chega a 300 páginas.

procura na Estante Virtual! lá deve ter algum mais barato em sebo.

Larissa disse...

esse livro é lindo. Está, com certeza, no meu top 3 de livros. E Caio é fascinante, real, sensível, forte. Derruba qualquer um. E sobre os que não gostam, muitos têm a visão pequena de enxergar apenas o que espalham nas redes sociais. E te digo que muitos que postam passagens de Caio F, que conheço, nunca pegaram e leram um livro inteiro dele. Infelizmente os livros dele são meio carinhos mesmo, já quero pocket books dele (tem só uma reunião de contos que já vi na Cultura).

Parabéns também pelo novo blog, tô fascinada e orgulhosa!

aline marangoni disse...

livro incrível e doído. é muito sentimento envolvido. comecei a ler caio f. há muitos anos e ele sempre soube por o coração em cada palavra. recomendo "sem ana, blues" dele. texto lindo.

Maria disse...

se a leitura não for boa para gente, se não proporcionar prazer, se não nos tocar, ela serve para quê mesmo? ...

Caio F. me toca. Sem mais.

um beijo