quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Until the very end



Eu acredito que todo mundo que me conhece, tanto na vida real quanto na internet, sabe que eu sou fã de Harry Potter. Fã é eufemismo. Um graaande eufemismo. Enfim.

(a propósito, quem ainda acha que gostar de Harry Potter é "ser infantil" ou "hahaha, you fail" ou "oh, você é de uma seita satânica" atingiu um nível de retardo absurdo. como diria a Kath, merece ir dar uma volta no canavial de rolas.)

Eu poderia passar linhas e mais linhas falando sobre como Harry Potter foi importante pra mim nesses últimos nove anos, sobre como essa série me ensinou coisas como o valor da amizade e o absurdo de uma guerra, sobre como eu conheci muita gente maravilhosa por causa dela, e mais um milhão de coisas. Eu ainda vou escrever sobre isso, claro, mas agora não.

Hoje eu quero falar sobre o filme, Harry Potter and the Deathly Hallows (Relíquias da Morte aqui).

Eu quero falar sobre como eu fiquei feliz de assistir esse filme e de como ele é a coisa mais linda do mundo.

Mas, olha, vou te dizer uma coisa: não conheço nenhuma pessoa que não tenha gostado do filme. Nenhuma.  Dentre essas, apenas umas poucas não leram os livros, mas mesmo assim tá valendo. Só que, né, como nem tudo na vida é perfeito, estou tendo um dejá-vu do fim de Lost, que pode ser resumido em uma frase:

Paunocuzice de quem não entendeu porra nenhuma.

Explico.

Sabe, se uma pessoa vai assistir ao SÉTIMO filme de uma franquia, o mínimo que se pode esperar é que ela tenha visto os outros seis antes. E não acho nenhum absurdo esperar que ela também tenha tido pelo menos um pouquinho de interesse em ler os livros.

Daí, cara, se tu não prestou atenção nos filmes e/ou não leu nenhum livro, é de se esperar que ache chato um filme de duas horas e meia sobre uma história sobre a qual você não está entendendo porra nenhuma. 

Só que acontece que HP7 foi, acima de tudo, uma homenagem aos fãs

Eu não acho, sinceramente, que o objetivo de uma adaptação cinematográfica seja pura e simplesmente o dinheiro, independentemente de quem vai assistir, se fã ou não. Claro que acontece assim, mas não deve ser, sabe? Eu acredito que adaptações cinematográficas devem respeito tanto à história quanto aos fãs, e uma coisa leva à outra. HP7 respeitou os fãs, foi fiel ao livro, e o que me entristece vendo críticas ruins - não apenas críticas de críticos de cinema, mas de qualquer pessoa - ao filme é o fato de que elas não entendem. Não estou falando "elas não entendem" no sentido de "nhéééé, sou melhor que você porque li o livro e você é burro e nem sabe de nada", mas no sentido de que é muito fácil uma pessoa criticar uma coisa que não significa nada além de um blockbuster pra ela.

(e nem dá pra criticar como pura e simplesmente entretenimento porque, porra, tecnicamente o filme também tá impecável. super casaria com o diretor de fotografia, hein.)

Harry Potter não é apenas um blockbuster pra mim. Não é apenas uma série que fez sucesso. Eu literalmente cresci lendo esses livros e assistindo esses filmes, e fiquei realmente muito feliz que o filme tenha feito jus a tudo que eu senti com o fim. Vocês têm noção da puta nostalgia que dá ver o último livro transformado em cenas visuais? E, melhor, fielmente. Claro que faltaram algumas cenas - umas vão aparecer nos extras do DVD, outras não - mas o resultado geral, pra mim, foi perfeito.

O que a pessoa que nunca leu acha maçante, eu acho tocante. Os momentos entre Harry e Hermione, a síntese da amizade deles, o clima de guerra, de nostalgia, de cansaço, de tristeza. Eu morri de chorar não só porque choro por qualquer coisa, mas porque foi, acima de tudo, bonito. Foi muito bonito.

Eu sei que não é fácil de entender pra quem nunca sentiu isso, e talvez não seja fácil de entender até pra quem começou a ler agora. Porque, né, começar a ler agora é ter todos os livros e spoilers à mão. Não estou dizendo que não se deve ler ou que ler agora vale menos, mas é que dá pra perceber que é diferente. Eu sempre vou sentir falta disso. De esperar o próximo livro, o próximo filme, de não saber o que vai acontecer, de teorizar. De comprar o livro novo e ler pela primeira vez.

E eu acho que nunca vou conseguir escrever sobre isso sem morrer de chorar.

5 comentários:

Giu disse...

Eu entendo tudo isso tanto, tanto, tanto.<3

Maria Luísa disse...

Li e chorei.

Bertonie disse...

né, não posso dizer que sou o fã-que-acompanhou-harry-potter porque comecei a ler os livros e ver os filmes ainda esse ano rs e me apaixonei.
menine, eu chorei quando o harry e a hermione dançaram, chorei no começo na parte do obliviate e no fim na parte do elfo. foi o filme mais bonito, mais fiel, mais respeituoso da série.
e fico louco do cu com os vulgos críticos de cinema que reclamaram da "monotonia do filme", "ausência contínua de ação" e "falta de dedicação aos não-fas da saga". O cara chega no SÉTIMO FILME d'uma série, não se dá o trabalho de ler a sinopse, só vê o trailer o que não significa NADA e quer entender tudo e quer um filme de AÇÃO? Se eu quisesse ver um filme SÓ DE AÇÃO, eu punha uma cena de luta no youtube e ficava no replay.
Não sei se posso dizer que o filme é perfeito, porque nenhum filme o é, mas ele me satisfez de um modo que eu nunca imaginaria.
E que bom que eu não fui o único que tive essa sensação.

beijos

Larissa disse...

Suas resenhas e textos sobre filmes e livroa sempre são incríveis! Sério, são muito bons... eu fui fã de HP... ainda sou, mas mais dos livros do que dos filmes!
:)

ainda não vi esse, meu semestre acabou agora ;/
mas vou ver!

;*

Daniel Savio disse...

Eu gostei do filme, sendo que ele retrata bem o que ele vei fazer, é apenas começo do fim...

Fiquem com Deus, menino Roh e menina Moony.
Um abraço.