sábado, 29 de maio de 2010

Não, porra!

Eu ia deixar pra lá e viver a vida lindamente sem me preocupar com isso, mas não dá. O amor e etc. e Daniel, caras, não é com vocês o problema, tá? Nada pessoal. Eu me irrito é com nego que vem dizer que "aaah, foi ruim!" sem nem ter entendido o final. Então, pelo bem da sanidade alheia, leiam essa porra antes de vir falar "aaaah, eu sabia, essa teoria é velha!"

A partir daqui, MILHÕES de spoilers de Lost. Não passe daqui se não tiver assistido. Eu avisei, hein.

.
.
.
.
.

Primeiramente, eu gostaria de dizer que isso aqui é um blog e que existe liberdade de expressão. Eu vou me dar ao luxo, dessa vez, de exercitar (quase) toda a minha grosseria, mas não estou me dirigindo a ninguém em particular. Sério.

Então. 

Não, seu animal, eles não estavam mortos o tempo todo.

Vamos ao tutorial para entender o fim de Lost:

1. Assistiu todas as temporadas? Sim? Duvido, senão não estaria reclamando que não sabe o que os ursos polares estavam fazendo na ilha na primeira temporada e blablablá. Bah.

2. Sabe o que são os flash-sideways? Vou explicar, porque realmente às vezes isso confunde: flash-sideways são os flashs que aparecem durante toda a sexta temporada, em que todos eles se encontram numa espécie de universo paralelo.

3. Eles estavam mortos o tempo todo e a ilha era o purgatório, né? Aff, eu já sabia disso. Que paia.

NÃO, CRIATURA DOS INFERNOS. ELES NÃO ESTAVAM MORTOS!

Vou te dizer porque não estavam: é só ouvir o que a porra dos personagens estão dizendo. Escuta a porra dos diálogos e pára de pensar em quem vai ficar com quem no final - chego nisso já já - e aí quem sabe tu entende.

Sendo mais civilizada agora:

Os flash-sideways - como o Christian explicou, numa das últimas falas de The End - eram nada mais nada menos do que uma espécie de universo atemporal. Aquele universo foi criado - pelo Jack, pela consciência dele, pelo que você quiser imaginar - para que, na hora da sua morte, ele estivesse com todas as pessoas que foram importantes para a sua vida. Todas aquelas pessoas que estavam nos flash-sideways participaram da parte mais importante da vida do Jack, que foi o tempo em que ele esteve na ilha. Todas aquelas pessoas estavam mortas ali, naquele momento, naquele universo atemporal. Elas morreram antes ou depois do Jack, dentro ou fora da ilha, em momentos diferentes, mas naquele momento estavam todas juntas porque, lembre-se, aquele era um universo atemporal e o Jack precisava da presença delas ali para que se sentisse pronto pra partir. É, ver a luz, essas paradas espirituais todas. Tudo o que aconteceu na ilha foi real, tudo aconteceu de verdade. Eles não estavam mortos na ilha, a ilha não era o purgatório. O purgatório, por assim dizer, era o universo paralelo/atemporal, para o qual todos eles foram depois de mortos para resolver o problemas que deixaram pendentes na vida. Tanto que o Ben, por exemplo, não entra na igreja junto com os outros. Por quê? Porque ele ainda não resolveu tudo. Lembra do que o Hurley disse pra ele antes de entrar? "Você foi um bom Número Dois." E o Ben diz "E você foi um bom Número Um." Hurley e Ben viveram na ilha ainda por muito (ou pouco) tempo, protegendo-a. 

4. Então o final de Lost foi só o Jack fechando os olhos e encontrando a paz?

Sim, pequeno pêssego. Agora que você já entendeu o que aconteceu no episódio, pode gostar ou desgostar à vontade. Só não vem ter a cara de pau de dizer que não gostou de uma coisa que tu nem entendeu.

5. Mas a Kate não ficou com o Fulano! Odiei!

Porra, cara, assistir Lost por seis anos e depois reclamar que fulana não ficou com fulano e por isso a série é ruim? Se mata, cara. 

5. Então o que era aquela porra de ilha?

Exatamente o que o Jacob disse que ela era: uma espécie de rolha para conter o mal. Exatamente o que a pseudo-mãe dele disse para ele: o lugar onde está a luz que existe em todos os homens.

6. Então é isso? Todas essas paradas de luz, paz, bem e mal? Cadê a explicação científica dessa porra?

Sim, pequeno pêssego, todas essas paradas de luz, paz, bem e mal. Explicações científicas existiram durante a série, existe de fato o grande bolsão eletromagnético e, se quiser, esse pode ser o motivo científico de a ilha ser do jeito que é. Mas Lost não é e nem nunca foi uma série sci-fi. Lost sempre foi sempre pessoas e não sobre a ilha. Metáforas, metáforas!

7. Só pra ajudar, um vídeo do Maurício Saldanha com suas conclusões sobre o fim de Lost:




Beijos, sou um amor de pessoa.

4 comentários:

Keel Diniz disse...

hahaha adoreei sua crítica e todo o post.. a pessoa não assiste tudo e quer reclamar porque no fim é isso e porque não deveria ser aquilo.. etc etc blaah
Eu por exemplo parei de assitir na 3º temporada, cansei de tantos enigmas e tals, mas já sabia que isso se baseava nas pessoas e não na própria ilhaa, só quem é burrinho mesmo é que não vai entender ¬¬ aushausha


falô
=*

Rafael Cotrim disse...

Não assisti então parei no começo,
detesto LOST ;@

Daniel Savio disse...

Hua, kkk, ha, ha, ainda bem não é comigo, mas agora eu entendi melhor...

Mas o negócio que o meu amigo que disse foi porque ele assistiu tudo desde o inicio, ai confiei na palavra dele.

Mas você notou que Caverna do Dragão também dizem que o pessoal estava morto e eles ficam vagando no mundo lá e que tanto Mestre do Magos são Diabos que servem para "torturar" o pessoal.

Fique com Deus, menina Moony.
Um abraço.

Morgana G disse...

Não assisti todas as temporadas, então parei no primeiro tópico haha -n
Ok, me esclareci mais a respeito do fim.