quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

"Eu bem queria fazer um travesseiro dos teus braços..."

Olá... Saudade. ;DD
Hoje, depois de tanto tempo sem postar, vou colocar aqui uma poesia, que nem sei se é a mais condizente com meu momento atual, mas é uma das mais recentes, fato que deve ser quase cultuado por mim, já que ando com "bloqueio criativo" como diz Moony-san. Mas a boa notícia é que temos toda a semana para nós, já que "a outra" só poderá postar semana que vem. xD

Vivo me cobrando que mude de escrever sobre o mesmo tema, que me engaje em algum tipo de poesia social, não sei, mas como diz um verso meu... "Por mais que eu tente mudar o rumo dos meus versos..." São sempre os de amor que acabo escrevendo.



Não mais

A pior coisa do mundo é não ter você
E descobri isso da maneira mais cruel possível
Agora que tuas mãos não mais povoam meu corpo...
E o teu cheiro não mais povoa meu quarto...

Queria por nesse poema todo meu sentimento
- Mas tudo é tão confuso neste momento...
As luzes se apagaram e eu não preciso mais fingir ser feliz
Porque a felicidade, meu amor,
foi-se embora com teus passos largos que se afastaram de mim
Agora, só há dor em meu mundo...
Em cada esquina que passo
Em cada verso que faço
Essa dor me vigia e
me persegue noite e dia
E cada segundo que passa me faz ver
Que a pior coisa do mundo é não
ter você.


Rôh

9 comentários:

Kátia Flávia disse...

"Eu bem queria fazer um travesseiro dos teus braços..."

que forte...
eu preferia ainda, "Eu bem queria fazer um travesseiro do seu peito..."

não há nada melhor que o amor pra versos, é tão cliché, mas é tão diferente.. amores. ainda mais os tristes... e perversos

parabens,
um beijo para você

.moony. disse...

gosto de poesia sem mtas rimas, sabe-se lá porque xD~
enfim, vire poeta e nao saia de fortaleza xD publica um livro quando tiver 100 poemas (axo q já tem xD)
bju
teh +
o/*
.a outra.

Mahzinha disse...

Adorei seu poema. *-* Puta saudade de ler algum poema seu. E sou que nem a Moony, gosto de poemas q ñ tenham muitas rimas, poemas mais contemporâneos!
E vc versa muito, muuuuito bem. :]

Sophie Lóren disse...

Rôh: Adoooreiii o poemaaa.!
Versos lindos e bem colocados, fugindo das regras de certos outros poemas^^

P.S Que eh isso??? Pedir desculpas? Sinta-se à vontade ;D~

Moony: Cadê o outro capítulo hein??? y.y
:P

=*

morango disse...

adoro ler teus escritos... eu praticamente me vejo em cada verso teu.. queria saber me espressar tão bem como vc...

bju rô te adoroo!!

Nenhum Mistério disse...

Eu tbm adoro poemas que não tem muitas rimas...
Acho que é por que parecem ter mais riqueza de palavras, sabe, mais conteúdo...
Mas é isso, o que eu posso falar mais de você???
Você é muito bom, maravilhoso, e sabe disso ¬¬
aoksokapskoa
de qualquer forma, fique sabendo que mesmo nunca jamais sequer ter enxergado você em parte alguma da cidade xD, eu ti amo muito ^^
Beijos no seu coração

"Ah, nostalgie, je me sens si mal pour ceux qui ne l'a jamais vu mes yeux ..."
Vanessa Kayren de Araújo Magalhães.

Ok xD Tradução:
"Ah, saudade que sinto tão forte por quem jamais os meus olhos viram..."

inferninho disse...

Você escreve muito bem =)
Ceará né?
Um pouquiiiinho longe! hahaha
Espero poder ler mais dos seus.
ah, se quiser me adiciona no msn
mariana.paraizo@hotmail.com
beijos

Thays Lima disse...

Muito bonito isso, você sempre volta em grande estilo! rsrs
Bjão adoro-te pessoinha querida!

La Vie disse...

Lindo... Você fala bem do amor ...Bela foto também (bom gosto).
"Estou procurando, estou procurando. Estou tentando me entender. Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi. Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda." Clarice Lispector
Bj
La Vie