quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Amanhã será tudo diferente, mesmo que pareça tudo tão igual.

Já que o assunto “política” anda tão em evidência, graças às benditas eleições que se aproximam. Fato que é deplorável, diga-se de passagem. Por que afinal de contas as discussões políticas deveriam exceder “anos eleitorais”, essa iniciativa, entretanto, não interessa nem a políticos, nem a pessoas que se declaram “anti-política”, e uma terceira parcela de pessoas que se dizem politizadas, não fazem nada para mudar essa realidade ou ainda, fazem, mas não obtêm êxito. Acontece que as pessoas ainda não entenderam que TUDO a sua volta é política, as diretrizes que são decididas nesse processo têm conseqüências diretas na vida de cada um de nós. O que se observa, hoje, são jovens que já desistiram de toda e qualquer iniciativa dessa origem. “Odeio política”, “Nem começa com esse assunto”, ”Vou votar só com 18 anos, porque é obrigado”. Nós, jovens deveríamos ser os primeiros a optar por esse direito: o voto. Se existem maus políticos, fomos nós mesmos quem os colocamos lá.

Uma amiga blogueira escreveu em seu blog, algo realmente salutar com relação ao marketing dos candidatos que buscam ganhar os votos através de “musiquinhas ridículas”, que não dizem nada com relação a sua capacidade de governar ou suas propostas de melhorias para nossas cidades, estados, países. Metendo o bedelho: outra coisa que também sou radicalmente contra é a utilização de cabos eleitorais, que visa a massificação desordenada de pessoas a votar em uma outra, determinada, que não se sabe nem ao certo quem é, o que pretende fazer, apenas devido a filiação partidária. Não podemos nos alienar dessa forma! Deixar que uma organização partidária dite o que se vai fazer ou não é um absurdo.

Ouvi dizer: “Vou votar em qualquer um que seja do PT”, “Esse aí é do partido do Lula?”. Quer dizer, estamos promovendo, não pessoas, com ideais, percepções diferentes e inovadoras. Mas sim, o partido A, B, e C,... Com metodologias muita das vezes arcaicas, contraditórias e que não se importam com a real necessidade da população, antes, o poder é apenas um meio de suprirem suas próprias necessidades.

Continua...

3 comentários:

Mahzinha disse...

Política as vezes é um saco, mas a patir de ontem comecei a me insteressar um pouco, como ajudo minha mãe em sua loja vejo movimentos de políticos para lá e pra cá, assisto de perto, e vejo o quão interessante e a importância da política.

Rodrigo Hyoukami disse...

Fato..
Não se pode negar seus relatos...
Mas pensando nos novatos...
Não é questão de acato...
Apenas o modo com que é passado...
Politico que é politico não tem historia...
Mas sim ficha criminal...
E sem nenhum antepassado...
Ainda falta espaço...
Mas deixemos de lado...
Espero que esteje tudo a seu agrado...

Fique bem.

.[P].a.[R].ente disse...

rsrsrs. q massa! xD