sábado, 14 de junho de 2008

You give me miles and miles of mountains and I'll ask for the sea...

Olá...

É, eu sei, passei um tempão sem postar... Mas eu posso explicar xD Tô totalmente sem tempo, e essa semana, principalmente, foi muito atribulada. Muitas provas, muitos trabalhos, muita natação, enfim... Cansa, né.
Mas eu voltei!!

Bom, dia desses li Eu, robô , de Isaac Asimov. Eu já tinha lido alguns ensaios de Asimov antes e sabia que era um ótimo autor, mas ainda não tinha conseguido pôr as mãos em um livro de ficção dele. Mas então surgiu a oportunidade... E li!

Cara, tem noção do que é, em plenos anos 50, uma pessoa escrever ficção científica do jeito que ele escreve? O cara falava de bases humanas em Mercúrio, robôs humanóides, hiperespaço... É muita doideira!!

Pra início de conversa, ele criou as três leis da robótica, que são:

1 - Um robô não deve nunca ferir um humano ou, por inação, permitir que um humano se fira.

2 - Os robôs devem obedecer aos humanos.

3 - Um robô deve se proteger, contanto que não transgrida a primeira e a segunda lei.

Certo, do jeito que eu escrevi ficou meio tosco, mas a idéia principal das leis é isso mesmo xD

Pois é... Não vou tentar explicar porque gosto tanto das histórias desse cara, mas o fato é que gosto xD Ah, e é bom ressaltar que não adianta ler Eu, robô esperando encontrar toda a história do filme lá. O livro é constituído de nove contos, contados pela robôpsicóloga (é isso mesmo que você leu xD) Susan Calvin, que conta histórias sobre os robôs desde o início deles, quando ainda nem falavam, até o "presente", quando são as Máquinas que governam o mundo.

Apesar disso, os robôs de Asimov não são maus. A maioria das histórias de robôs, principalmente na primeira metade do século, tratava de criaturas más que tentavam dominar o mundo e odiavam os humanos.

Mas pra Asimov não é assim. Os robôs estão presos à Primeira Lei.

Pra mim aconteceu com os robôs mais ou menos o que aconteceu com os vampiros. Eu sempre vi os robôs como seres muito educados e bonzinhos para os humanos quando estavam de frente pra eles. Mas seria só virar as costas e eles estariam tramando uma forma de dominar o mundo xD

Tá, eu sei que é uma perspectiva muito dramática, mas era assim que eu pensava... Talvez eu seja uma pessoa muito presa ao presente... Sei lá, nunca gostei da idéia de ter máquinas andando por aí como se fossem gente... E o medo de que os robôs se revoltem contra os humanos tem fundamento xD Olha só: eles foram criados (tô falando do futuro, ainda não existem robôs assim xD) por humanos, e são muito melhores que eles em alguns aspectos. São resistentes, não adoecem, não tem "problemas humanos", resolvem tudo... Mas têm que ser submissos aos humanos. Como escravos. Isso é motivo pra revolta, não é?

Quando terminei de ler Eu, robô fiquei altamente deprimida xD É sério. Sabe, fiquei pensando no futuro, em quando serão os computadores e robôs que dominarão o mundo e aí aconteceu uma coisa interessante.

Não sei bem como definir isso, mas... É como se, de repente, eu tivesse percebido que os robôs não são como eu pensava que fossem. Como se eu tivesse me tocado de que, no futuro, só eles, que são infinitamente melhores do que os humanos, é que poderão cuidar de nós, sabe? Talvez seja uma pontinha de inveja dessas criaturas tão bem-acabadas xD No mundo de Asimov, até sentimentos (um certo tipo de sentimentos, digamos assim) eles têm.

Vocês devem estar pensando: o que essa maluca cheirou pra estar falando tudo isso de uma realidade que ainda nem existe e nem tem previsão pra existir?

Bom, eu não sei xD

Eu gosto de pensar... Penso muito!! xD E gosto muito do passado...

*mudando radicalmente o assunto do post de "robôs" para "passado"*

Pois é, tenho que recuperar o tempo perdido e escrever bastante xD~

Continuando... Eu meio que tenho saudades de tempos que eu não vivi, sabe? Não é o meu passado que eu gosto de imaginar, mas sim outras épocas... Gosto imensamente dos anos 60, 70... É estranho e se Parente-san (desisti de escrever o nick todo, é muito difícil xD) estivesse aqui ele estaria me recriminando seriamente xD

Mas é legal pensar em outros tempos... É legal tentar ver como eram as coisas, as pessoas, os costumes... Deixa pra lá...

Vou-me embora agora... Até mais...

Ah, Parente-san não está postando porque, como eu já tinha dito em outro post, está sem internet, coitado. Sejamos solidários!

Agora sim, até mais...

2 comentários:

Faranack disse...

Nossa, tô morrendo d vontade d ler EU, ROBÔ agora! Sério mesmo!!

Beijooooos!

Myara disse...

Muito interessante.... dos robôs...

Enfim... adorei a parte dos anos 60 e 70

kkkkkk

Bjim